sábado, 28 de maio de 2011

Pit Bulls: A História de um Vilão Inocente



Existe uma crença, divulgada erroneamente de que a raça Pit Bull foi criada e desenvolvida em laboratório, o que na realidade não passa de uma crendice. Pois os cachorros da raça Pit Bull, são descendentes de raças de grande porte, conhecidas como Molossos, que eram preparadas e condicionados, para atuarem nas batalhas das guerras em que participavam os exercitos do Imperio Romano. E após a queda de Roma, os cachorros descendentes destas raças, ficaram concentrados em sua maioria na região da Bretanha, atual Inglaterra.
E séculos depois, seus descendentes, viriam a constituir e formar a raça do antigo Buldogue Inglês, que devido ao seu porte e ferocidade, foram muito utilizados em combates com touros (bull baiting). Porem, como a Corte Inglesa, acabou por proibir este tipo de combate (bull baiting), fato este que veio a ocasionar posteriormente, o inicio da pratica da luta direta entre cachorros, as famosas e populares rinhas. Porem como o Buldogue Inglês, apresentava uma estrutura muito robusta, mas com pouca agilidade, o antigo Buldogue Inglês, já não era o cachorro ideal para este novo tipo de combate.
Devido a isto, os criadores com o proposito de aprimorarem a raça, cruzaram o Buldogue Inglês com os Terriers, com o intuito de lhe dar mais agilidade e rapidez, originando assim o Bull-and-Terrier. Que foi levado posteriormente para os Estados Unidos durante o século 19, onde veio a receber o nome de American Pit Bull Terrier. E durante todo o período em que foram utilizados em combates, ao longo dos anos, a seleção da raça dos Pit Bull, privilegiou sempre cachorros com temperamento agressivo, principalmente com relação aos outros cachorros, visando objetivamente acirrar a sua agressividade durante os combates.
Entretanto, esses mesmos cachorros, que foram treinados e condicionados, para serem extremamentes agressivos com outros cachorros, não o eram com as pessoas, principalmente com seus treinadores e responsáveis, pois mesmo durante o calor de um combate acirradissimo, quando havia necessidade, o próprio juiz, que nem convivia com os Pit Bulls, como o seu treinadores ou donos, apartava os Pit-Bulls durante os combates, com as suas próprias mãos. Ou seja, o Pit Bull é uma raça que realmente tem grande dificuldade e aversão em se relacionar com outros cachorros, porem sua relação para com as pessoas, principalmente com o seu dono e familiares, é bastante harmoniosa e tranquila.
Sendo bem diferente, do que muitas pessoas sem o menor conhecimento, leigas, ignorantes e precipitadas propagam. Pois a chance de haver um acidente com o Pit Bull, principalmente com as pessoas com que ele convive, inclusive crianças, são as mesmas das que qualquer outro cachorro de seu porte, como Dálmatas, Boxers, ou Labradores. Pois o Pit Bull absolutamente, não é este cachorro assassino como se intitula e apregoa, e se observarmos as ocorrências de acidentes envolvendo Pit Bulls, veremos que pelas estatísticas são poucas, quando comparadas com outras raças.
Entretanto como estas raças não tem a má fama, que é atribuida injustamente aos Pit Bulls, os acidentes ocorridos com elas são ignorados, entretanto quando o acidente ocorre com um Pit Bull, logo vira manchete. E quando na verdade, quem faz o cachorro, é o seu proprio responsável, pois nas mãos de um proprietario irresponsável e com índole violenta, inclusive até mesmo um cachorro de uma raça considerada tranquila e inofensiva como um Golden Retrivier, pode se tornar uma fera perigosa. Pois o Pit-Bull, sendo criado, orientado e educado de uma maneira tranquila e equilibrada, e sem se incitar ou se condicionar agressividade ou violência ao mesmo. Com toda certeza, será um otimo companheiro, tranquilo, amigo e fiel, e proporciona-ra muitas alegrias ao seu dono e a seus familiares.
 fonte: aqui

quarta-feira, 25 de maio de 2011

Seu Animal Vai Ficar Velhinho

Tem coisa mais fofa e especial do que resgatar um lindo filhote, seja de cão ou gato, que estava abandonado, ou mesmo comprar um?
Várias pessoas se vangloriam do momento em que acolheram o bichinho, mas se esquecem de muitas coisas: Que eles dão gasto com alimentação, veterinário, produtos de loja veterinária, se esquecem que eles não sabem quais as nossas regras - principalmente se a gente não os educar - mas isso já é outro assunto.
Supondo que a pessoa supere todos os problemas inciais que supostamente um bichinho causa, ninguém nunca pensa que os anos passam rápido e o animal é considerado velho a partir dos 7,8 anos.
Os anos caninos não se calculam somando cada ano do animal a 7 anos nossos, isso varia do tamanho do cão, os de porte menor vivem mais que os de porte maior, sendo que os pequenos podem chegar até a 18, 20 anos.
Os gatos, sendo caseiros, castrados, bem cuidados, com controle da obesidade, vivem em torno disso também.
Porém, a partir dos 8 anos, que, como disse, o cão e o gato já são considerados velhos (por mais que pareçam muito saudáveis) a rotina deles deve ser mudada, em primeiro lugar, ele deve comer uma ração especial para cães maduros, onde seus ossos, articulações, rins e fígado devem ser preservados com mais carinho.
Os exercícios devem ser diminuídos, de acordo com o ritmo do animal. Se ele quer caminhar 1 quarteirão apenas, respeite e caminhe apenas o que ele quer caminhar, não force (imagina você empurrando seu avozinho ladeira acima porque acha que ele precisa caminhar) deixe o animal viver de acordo com o pique que ele tem.
A parte de doenças da velhice eu vou deixar para outro post. Hoje quero falar apenas da parte "sentimental" da senilidade animal.
Nem todas aquelas pessoas que se deslumbraram com a chegada do filhotinho vão continuar felizes com seu cão/gato idoso e com limitações vindas com a idade. Muitos são abandonados, mesmo que não na rua, em casa. Ele não é mais o orgulho da família, algum novo animalzinho já foi inserido e ele fica apenas ali, esquecido.

Meus animais estão velhos. Tenho 28 anos, adotei meu primeiro gato aos 14, portanto passei metade da minha vida tendo ele comigo. Meus outros gatos não são tão mais jovens que o Lupy.
Minha cachorra é grande e está com 8 anos, e é quem eu noto que está mais baqueada pela idade. Não a vejo mais correndo feliz como antes, vejo apenas sua alegria discreta num abano preguiçoso do rabo.
Ela não corre mais pela casa toda, enlouquecendo a todos com sua agitação típica de labrador.
Hanna já tem a face branca, não tem mais o hálito de filhote, não tem o cheirinho gostoso que sempre teve. As pessoas chegam em casa e logo criticam o cheiro dela, os problemas que foram surgindo com a idade.
Ela ainda é a coisa mais importante e especial que tenho, e sinto um medo as vezes doentio de perdê-la, talvez por saber como veterinária dos riscos que ela corre. Por algum tempo deixei ela de lado, meio que tentando me acostumar com uma ausência que vai ocorrer um dia, não dando devida atenção e o carinho que ela merece.
 Não adianta fazer isso, foi bobagem minha, eu jamais vou estar preparada para perder a Hanna e duvido que qualquer leitor desse blog esteja ou estava preparado para perder qualquer um de seus animais.

Sei que entrei demais na minha história, mas apenas queria deixar a mensagem, cuide do seu animalzinho até o fim da vida dele, aproveite cada momento, cada dia, cada abraço, lambida, cada segundo de amor incondicional que só eles sabem nos dar.

Adotar é um ato de amor, cuidar do seu animal até o fim da vida dele, é obrigação.
Pense em tudo antes de adotar.
Posse responsável, nunca se esqueçam.

Beijos e abraços carinhosos a todos que me mandam comentários e e-mails pedindo conselhos, compartilhando suas histórias (e sempre me fazendo chorar rs) agradeço do fundo do meu coração a credibilidade que vocês depositaram em mim. OBRIGADA!

domingo, 22 de maio de 2011

Assassinato de Animais em Ribeirão Preto

Uma vergonha nacional, minha cidade (Ribeirão Preto) foi destaque em alguns jornais importantes como Jornal Hoje, com uma notícia horrorosa dessas.
Uma sociedade felina, formada em um dos pontos turísticos de Ribeirão Preto - São Paulo, o morro do São Bento, onde ocorre eventos culturais, foi surgindo por culpa de pessoas imprudentes que abandonam seus gatos lá.
Na hora de castrar ninguém quer, mas a hora que a gata está com filhotes, todos são abandonados a propria sorte, e como uma sociedade organizada (a dos gatos obviamente, não a nossa) eles aprenderam a conviver entre eles e em harmonia com os seres humanos que lá passavam, sendo carinhosos com os que os visitavam.
Até esse momento, tínhamos apenas o problema do controle populacional felino, que poderia ser controlado com castrações e fiscalização para que não tivessem novos abandonos.
Acontece que, algum infeliz colocou veneno de rato, mais conhecido como chumbinho, na ração (que era dada por vários simpatizantes dos animais) ou em bolas de carne e forneceu aos animais, levando até onde fiquei sabendo 43 animais a óbito, sendo 1 cão, 3 gambás e 39 gatos.

No dia 15 de maio, fizemos um protesto silencioso, simbolizando uma missa de 7º dia, "7 dias para quem não teve 7 vidas" onde a comoção foi coletiva e as palavras muito bem colocadas pelos representantes das ONG's.

"Na primeira semana de maio de 2011, mais de 40 animais que viviam no morro do São Bento, entre gatos, cães e animais silvestres, foram assassinados por envenenamento.
Parte da responsabilidade disso é da prefeitura que em 2006 acordou com a AVA de colocar vigilância no local, para evitar o abandono desses inocentes pelos donos irresponsáveis, pois o lugar era ponto de referência para isso
Os outros principais responsáveis por essa chacina, são exatamente os donos q abandonaram esses inocentes lá, por não terem castrado seus animais"

"Altar feito em homenagem aos animais mortos"

"Sempre choro quando vejo essa imagem..."


"vamos fazer essa lei funcionar?"


Quero parabenizar as ONG's Cãopaixão, AVA e Murilo Pretinho pela iniciativa, e que depois desse absurdo todo ocorra a fiscalização contra o abandono, campanhas de castração e controle da venda de chumbinho.

Que Deus proteja essas almas que nem puderam se defender de tamanho absurdo e essa morte cruel.

sábado, 14 de maio de 2011

Eutanásia em Cães e Gatos





A eutanásia é permitida por lei e pela ética veterinária, desde que este seja o desejo do proprietário e feita por um médico veterinário.
A maneira correta de ser feita é aplicando uma injeção de anestesia (de preferência uma dose muito alta, para garantir que não haverá dor) algumas vezes o animal morre já na anestesia. Quando não acontece, é feita uma segunda injeção que paralisa o coração.
Mas, isso é apenas a informação técnica, quem costuma ler meus posts sabe que eu não me prendo a textos técnicos, e sim procuro fazer textos para realmente orientar pessoas que amam animais, assim como eu amo.
Bom, eu já fiz eutanásia uma  vez, de uma cadelinha que eu atendi durante alguns meses, mas que tinha câncer na coluna e foi tendo várias complicações. A eutanásia foi uma experiência horrível e eu jurei pra mim mesma que jamais faria de novo, por dinheiro algum.
Isso não significa que eu seja contra, tem casos em que o bichinho sente muita dor, não consegue mais andar, defecar, urinar, comer, beber água, e acho até crueldade e egoísmo deixar o bicho viver nessas condições.

A eutanásia é indicada em que situações? - Quando o animal não tem mais qualidade de vida, está na situação que eu citei acima,
- Quando a doença que ele tem é irreversível, incurável, sem a menor chance de melhora e degenerativa, quando vai ficando cada vez pior e sofrendo mais.

Existem veterinários que sugerem eutanásia sem ao menos tentar um tratamento. Meu conselho é que sempre consulte outros veterinários para ter certeza de que a eutanásia é realmente necessária, sempre faça os exames pedidos para a certeza do diagnóstico. Não seja precipitado.
Por outro lado, não deixe seu bichinho sofrendo, apenas por não querer perdê-lo. Isso é muito mais cruel do que a eutanásia, que é uma morte sem dor.
Não acredite em prazos de vida, animais são seres vivos e nenhum veterinário tem bola de cristal, então não se prenda a "prazos de validade" dado por alguns profissionais. A morte é algo que não podemos prever, apenas conduzir para que ocorra com o mínimo possível de sofrimento.

Claro que precisamos citar os proprietários que querem fazer eutanásia porque o cachorro tem carrapato, porque tem alguma deformidade, alguma coisa simples e curável. Qualquer veterinário ético coloca esse tipo de gente pra correr do consultório.
Eutanásia não é e nunca vai ser brincadeira, adotar um animal não é brincadeira, a partir do momento em que ocorre o comprometimento da adoção, a pessoa deve estar ciente de que deve arcar com custos, com possíveis tratamentos e trabalho para cuidar do seu bicho.
Animal, sendo ele de rua ou não, não é uma roupa velha, que quando a gente cansa, doa pra alguém, abandona, quando fica velho, joga fora.
Animal é vida, e deve receber de volta todo o amor incondicional que eles nos dá.


Obrigada a todos que me mandam e-mails confiando em meus conselhos, aos que sugerem posts e que me dão forças para escreve-los. Esse foi sem dúvidas o mais difícil de sair, enrolei com ele por meses e nunca conseguia sair do primeiro parágrafo. Hoje foi. Espero que gostem. Beijos, Raquel.
raquel.catena@gmail.com

sexta-feira, 15 de abril de 2011

Ah, se eu tivesse castrado antes...

Olá, gente...
Eu sei que eu falo horrores aqui sobre castração, por milhões e milhões de motivos, como já descritos em posts anteriores.
Acontece que, mesmo eu falando e tentando conscientizar as pessoas, acabei cometendo o erro de não castrar a minha cadela Hanna, de quase 8 anos de idade. A decisão não cabia apenas a mim, pois ainda estudava e não tinha (e nem tenho ainda) dinheiro pra essa cirurgia.
Então, vou usar o meu exemplo, o meu erro, pra instruir vocês e orientar, já que pode acontecer com qualquer um.
Minha Hanna estava tristinha, meio desanimada (ela é super agitada) e parecia ter dificuldade em subir e descer dos lugares, além de não querer mais comer a ração. Logo pensei em doença do carrapato, já que é super comum aqui na minha cidade e ela teve uns carrapatinhos a um tempo atrás.
Mas, algo me dizia que era coisa mais séria, fiquei desesperada sem mesmo ter feito um exame.
No dia seguinte já marquei exames de sangue pra ela, onde a parte de plaquetas (que detecta a doença do carrapato) estava normal, mas em compensação os leucócitos estavam altíssimos, entrei em desespero e logo pensei em infecção uterina, marquei ultrassonografia e meu diagnóstico foi confirmado. Fiquei arrasada, preocupadíssima.
Corri ligar para colegas para tentar marcar a cirurgia, felizmente consegui para o dia seguinte cedinho, passei a noite em claro.
Durante a anestesia correu tudo bem, o útero dela estava com um acúmulo de pus um pouco maior do que previsto no ultra-som, talvez tenha acumulado mais durante a noite, sendo um pouco mais complicada a cirurgia do que prevíamos.
Foi feita anestesia inalatória, eu previa que ela acordaria logo, quando a vi tão tristinha, dormindo e com dor, fiquei muito desesperada...tive que sair de casa pra trabalhar e foi muito agoniante, quando voltei pra casa levei soro e medicações mais fortes pra dor, além dos antibióticos. Isso a deixou melhorzinha, pro meu alívio.
Ela agora está se sentindo melhor, consegue comer algumas coisas (ração em pasta e uma dieta especial que eu preparei pra ela) e está sem sinal de dor.

Fiz esse post no intuito de alertar as pessoas novamente a respeito da castração, pois se ela tivesse sido castrada mais jovem, ela não teria que fazer essa cirurgia de emergência, correndo o risco de morrer. Não desejo a ninguém o sofrimento dela e o meu sofrimento com medo de perdê-la.
A evolução da piometra (infecção/acúmulo de pus no utero) é muito rápida, e se não detectada e tratada a tempo, o animal morre. Requer muitos cuidados pós-cirúrgicos e causa muita dor na cadela.
Além da castração ser uma forma de controle populacional canino  é também uma forma de evitar doenças graves como a piometra e tumores mamários.
Caso você queira cruzar seu cão, cruze e depois o castre, não cometa o mesmo erro que cometi.
Ficou essa lição pra mim, nunca mais quero fazer um animal meu sofrer e vou cada vez mais tentar reforçar essa idéia para as pessoas.


Olha a carinha da minha princesa depois da cirurgia, tristinha, cansada e com dor, não deixe seu animal passar por isso.

Castração não é maldade, é prova de amor!

Abraços a todos, e mandem energias positivas pra minha filhota, serei muito grata! =)

quarta-feira, 6 de abril de 2011

Toxoplasmose - Globo e Seu Serviço de Desinformação Pública

No dia 04/04/11, a personagem de Camila Pitanga na novela das 21h Insensato Coração da Rede Globo, protagoniza uma cena, no mínimo, Insensata e que certamente já deve estar contribuindo para inúmeros abandonos de gatos.

Na cena (pode ser conferida aqui http://www.youtube.com/watch?v=VdU-ZyNDvQ4 ), apareceu uma gatinha tricolor em cima do capô do carro da atriz Camila Pitanga!

Carol (personagem de Camila Pitanga) se vira para Claudinha e diz: - Nossa que fofo! Olha Claudinha! Pera lá, eu não posso pegar não. Pega para mim Claudinha! Como é que a gente vai sair de carro.
Claudinha fala: - Por que? Vc adora gatos!
Carol (personagem de Camila Pitanga) diz: - Eu adoro, mas eu não posso! Eu não posso nem chegar perto. A Sonia disse... Eu corro risco de pegar toxoplasmose. É perigoso! Vai... Pega com jeitinho! Ai que amor!!!

Depois dessa cena, aparece André (personagem de Lazaro Ramos) olhando um site.
O William (personagem de Leonardo Carvalho) entra e pergunta : - O que vc tá vendo ai que está tão concentrado assim?
É que eu ouvi a Carol dizer hoje que não podia pegar um gato porque senão ela podia pegar toxoplasmose, eu tô querendo saber mais!

Temos que nos unir e pedir uma retratação dessa informação junto ao telespectador!!
Vamos ser a voz dos milhares de gatinhos que poderão sofrer as conseqüências da irresponsabilidade de um autor desinformado!
A novela Insensato Coração é Escrita por Gilberto Braga e Ricardo Linhares e com direção de Dennis Carvalho.

Fale com a Globo: http://falecomaredeglobo.globo.com/
Tel da Globo: 11- 40022884
 




terça-feira, 15 de março de 2011

Anticoncepcionais em Cadelas e Gatas - PERIGO!

Oi, gente! Me perdoem pela ausência, mas nesse meio tempo muita coisa aconteceu, mas o principal foi a falta de inspiração mesmo. Sugestões de posts são sempre bem vindas.
Hoje o assunto é bem sério. Por isso a imagem de alerta logo no início do post.
Eu já falei sobre cio de cadelas e cio de gatas nesses posts.
O cio nem sempre é algo agradável e desejado pelo dono, então algumas pessoas tentam evitar o cio usando anticoncepcionais facilmente encontrados em pet shops e até mesmo muitas vezes prescrito por veterinários (infelizmente...).
Mas, eu acho fundamental alertar sobre os riscos desses produtos.
Os anticoncepcionais são encontrados sob a forma de comprimidos ou injeções, e tendem a retardar ou suprimir a fase de aceitação sexual dos animais além de incômodos como o sangramento das cadelas.
Existe uma fase certa do ciclo do animal para se aplicar o anticoncepcional.  Na cadela, é mais fácil identificar essa fase, mas, na gata, por ser um animal que apresenta vários cios por ano, é bem mais complicado. As pessoas aplicam a medicação sem saber o período certo, o que pode acabar ocasionando mais problemas. Muitos aplicam a medicação quando o animal já está no cio o que é extremamente prejudicial para a saúde das fêmeas. Além disso, é muito comum gatas prenhas receberem a medicação por seus donos não saberem que elas estão gestantes. Na totalidade dos casos, os fetos irão morrer e ficar retidos no útero até que ocorra uma grande infecção colocando a vida da gata em perigo.
O uso de anticoncepcionais é um dos principais causadores de aparecimento de tumores de mama, infecções uterinas e tumores uterinos e de ovário, além de predisporem a doenças endócrinas, como o hiperadrenocorticismo, e promoverem resistência insulínica, provocando o surgimento da diabetes mellitus. Também pode ser observada falha, ausência ou descoloração do pelo no local da aplicação.
A infecção uterina é uma emergência e coloca a vida do animal em grande risco, e a única forma de tratamento é a cirurgia. As complicações dessa infecção uterina (piometra) podem incluir septicemia (infecção generalizada), insuficiência renal e pode levar a morte.
Na imagem, o útero de uma gata com piometra por uso de anticoncepcional. (O útero normal de uma gata tem aproximadamente a espessura de um dedo mindinho).

Outra grave complicação são as neoplasias mamárias, que geralmente são malignas e requer tratamento cirúrgico bastante invasivo e em alguns casos tratamento quimioterápico.

Muitas pessoas optam pelo uso de anticoncepcionais pelo baixo custo, mas, como sempre digo aqui, o barato sai caro, e neste caso especificamente, pode causar a perda do seu animal.

Como sempre, o recomendado é a castração, já falei bastante dela aqui no blog, sobre as vantagens, mas sempre tem pessoas que são contra e acabam fazendo opções errôneas.
Tem gente que acha errado castrar porque "judia"  e "mutila" o animal, mas não pensa nos filhotes quando os joga no rio ou abandonam na porta de alguém. Não pensam na mutilação e judiação quando é necessária uma cirurgia de remoção uterina emergencial por infecção ou numa mastectomia radical por tumor mamário.

De qualquer forma, castrar ou não é opção de cada um, mas uso de anticoncepcional é algo absurdo e inaceitável.
E não adianta comparar com o anticoncepcional humano, pois temos o ciclo menstrual e não o estral, ou seja, é totalmente diferente um medicamento do outro. (e muito menos dar anticoncepcional humano pra cadela, por favor!)

Bom, muita gente não sabe que anticoncepcional é prejudicial, então minha função como veterinária e defensora da causa animal é orientar. Agora vocês estão cientes, só espero que estejam conscientes também.

Abraços a todos ;)

sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

Gestantes, Bebês e Animais!

Realmente, a grande vilã da gravidez e os animais ainda é a toxoplasmose, que já falei sobre ela nesse post aqui.
Mas, não custa recordar; segundo o Dr. Luiz Carlos Garcia, a toxoplasmose pode ser uma doença grave em pessoas que não tenham uma resistência natural a ela, principalmente em gestantes, pois, pode levar à contaminação do feto, podendo até causar aborto, má formação e morte fetal. Portanto, uma mulher gestante deve sempre tomar os devidos cuidados para evitar o contagio com essa doença.
Mas quem possui animais de estimação em casa, inclusive gatos, pode ficar sossegado, pois eles não são uma importante fonte de transmissão dessa doença. O contagio da doença pelo contato direto, como tocar e acariciar o animal, é improvável, assim como por meio de mordidas ou arranhões.
Na verdade, as principais vias de contaminação são pela ingestão de alimentos ou água contaminados por fezes ou a ingestão de carne crua ou mal cozida, contento cistos do parasita.

Em relação a cães, a vacina deve sempre estar em dia e a vermifugação também, tanto no período de gestação quanto na chegada do bebê.
Os cães podem se sentir enciumados com a chegada do bebê, então é importante que o animal conheça aquele ambiente novo (quarto do bebê) e seja apresentado ao "novo filhote".
Detalhes importantes:
  • Cães são animais sociais, que foram feitos para viverem em grupos. Para os cães, os bebês nada mais são do que “filhotes humanos”.  E os filhotes da matilha são sempre acolhidos e protegidos.
  • O bebê quando chega em casa fica dormindo 95% do tempo. Portanto fica em seu quarto, não afetando diretamente a rotina da casa.  Ele quase “não aparece”. Conforme este bebê for crescendo, sua participação na rotina doméstica vai aumentando gradativamente, o que fará com que o cão se acostume facilmente à presença do novo filhote.
    Dá pra ver que não é nenhum bicho de 7 cabeças!  A relação vai se estabelecendo lentamente, gradativamente, mas é fundamental que saibamos avaliar muito bem que tipo de cão temos em casa: 
  • Seu cão foi educado e é super sociável:
    não há o que temer.  Ele e o bebê vão se adaptar muito bem.
  • Seu cão é super sociável, mas muito estabanado:
    Convém deixá-lo há uma certa distância do bebê, ou mesmo deixá-los em contato com algum tipo de barreira entre eles (exemplo uma grade).  O problema aqui não é agressividade!  O problema é que cães estabanados podem muitas vezes ter uma brincadeira bastante bruta para um bebê, ou mesmo uma criança maior.  Se não protegemos a criança de um “carinho mais animado”, a criança pode ficar com medo do cão. Ou seja:  Exige supervisão!
  • Seu cão é educado, sociável, mas nunca teve muito contato com bebês ou crianças:
    tudo é uma questão de fazê-lo começar a ter contato com crianças gradativamente. Comece levando a praças onde tenham muitas crianças.  Nos primeiros dias passeie com ele longe das crianças. Conforme os dias forem passando vá levando ele para passear mais perto das crianças. O objetivo é que ele fique tranqüilo no meio delas. Se você achar que mesmo depois deste treinamento, seu cão fica bem perto delas, mas não gosta de seus assédios, opte pela solução dada no item anterior: manter uma barreira entre eles. Desta forma eles aprenderão a se respeitar.
  • Seu cão costuma ter um comportamento hostil a tudo e todos que ele não conhece: então você pode ter um problema de fato.   Este tipo de cão tem muito mais dificuldade de se adaptar a novas situações, e você terá que ficar muito atento.

    Ao contrário do que muitos leigos pensam, os animais são muito importantes para fortalecer o sistema imunológico dos bebês.
    As pessoas que tentam proteger demais seus filhos de substâncias que podem causar alergia, são as que no futuro mais sofrem com os filhos alérgicos. Afinal, é na fase de bebê que ele cria anticorpos com mais facilidade e se torna imune aos alérginos (substâncias causadoras de alergias).
    Portanto, não confie em leigos que dizem que o bebê não pode ficar perto dos animais, isso só vai aumentar a chance dele ter uma alergia no futuro.

    Fora esse assunto alergias e doenças, vem o que eu considero mais importante: A formação do caráter da criança. Acho que a criança que convive com animais desde cedo aprende a respeitar outros seres, a amar, e isso influi em toda a vida da criança. Facilita suas relações com outras crianças e ensina cuidado, afeto, e muitas vezes a lidar com morte. 


    Post dedicado a Chrys, que me pediu para falar sobre essa relação, e é um complemento do post sobre toxoplasmose.
    Mamães, não abandonem seus animais! Dê a chance dos seus filhos descobrirem desde cedo como é bom ter um bichinho!!

segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

Sarnas Cutâneas de Cães e Gatos - Pegam nas Pessoas?

Olá, estou fazendo este post especial para a minha amiga Myrian, que sugeriu esse assunto, já que as pessoas têm muito preconceito com cães com sarna que estão na rua. Raramente encostam neles, e quando os cães de casa são acometidos, muitas vezes querem se livrar dos animaizinhos.
Assim como no post de toxoplasmose, na pesquisa que fiz, fiquei bem decepcionada.Vários textos afirmam que a sarna sarcóptica canina pega no ser humano. Mas não explica direito. Deixa a impressão que se alastra pelo corpo todo da pessoa e faz aquele terrorismo que as pessoas adoram fazer em torno das doenças de animais.
Mas, vamos lá: Não vou me prender aos nomes científicos de sarnas, ok?
Nossa primeira inimiga é a Sarna Sarcóptica, a doença causada por ela é chamada de escabiose. Acontece que tem a escabiose canina, a felina e a humana. Não, não é o mesmo bichinho exatamente, são todos "parentes", mas um gosta de pessoas, outro de gatos e o outro de cachorros. Quando um ser humano manipula um cão com escabiose ele pode vir a pegar a doença sim, mas o parasita logo vai notar que "se enganou" e logo morre. Já manipulei muitos cães com escabiose intensa e o máximo que me aconteceu foi aparecer uma lesão inferior a uma picada de mosquito. Nossa, que grave não?!
A sarna sarcóptica, tanto em pessoas como em animais (cada qual com seu bichinho específico, não esqueça) causa muita, mas muuuita coceira, porque a sarna é um ácaro que "cava" galerias na pele a fim de se reproduzir dentro delas. Em animais, ocorre queda de pelo, vermelhidão da pele, presença de secreção.
O diagnóstico é feito através da sintomatologia e o raspado de pele, para diferenciar de outras lesões cutâneas. O tratamento é simples, feito através de banhos ou medicamentos modernos pour-on (que aplicam no dorso).
*IMPORTANTE: A escabiose é extremamente contagiosa entre cães. É válido isolar o animal acometido dos demais.

Outra sarna cutânea que acomete somente os cães é a Sarna Demodécica, a demodicose. Nós humanos temos ela na versão humana (vive em nosso corpo e não interfere em nada na nossa saúde).
Nos cães, em geral, também não.
A demodécica geralmente é transmitida da mãe para o filhote enquanto ela o amamenta, a mãe pode não ter os sintomas mas o filhotinho, se tiver queda de imunidade, pode vir a ter. Pode ser que tenha apenas na vida adulta, e o mais comum, que nunca manifeste. A doença ocorre quando há um desequilíbrio da flora cutânea e a sarna acaba se espalhando. As lesões são mais focadas, ao contrário da escabiose, que se alastra rapidamente. A demodicose costuma aparecer ao redor dos olhos, formando "óculos", ao redor da boca e nas patas (já que o animal geralmente adquire mamando). Mas pode se alastrar pelo corpo todo do animal, deixando a pele grossa por excesso de queratina e outras substâncias. Causa queda de pelo. Nesses casos o diagnóstico se torna mais difícil e se confunde com o da escabiose.
Ao contrário da sarna sarcóptica, a demodécica não causa coceira e NÃO É TRANSMITIDA DE UM CÃO PARA O OUTRO MUITO MENOS PARA O SER HUMANO. Por isso a importância da diferenciação das duas.
Esta sarna é mais grave, apesar de não parecer, já que o tratamento é prolongado e o animal pode ter a doença outras vezes durante a vida, geralmente quando sua imunidade diminui. Fêmeas que já tiveram a doença não devem cruzar.

A sarna de gatos (viram como eu não esqueço dos gatos?) além da escabiose, é a Sarna Notoédrica, altamente contagiosa ENTRE FELINOS (eu disse entre felinos) portanto, é importante isolar o animal acometido dos outros gatos caso tenha mais de um.
Geralmente começam na ponta das orelhas, espalhando pela face, causando intenso prurido (coceira), crostas e espessamento da pele.

Para concluir: Não deixe de acolher um cão de rua porque ele está com lesões de sarna. Se você estiver com nojo por causa das crostas, coloque uma luva e cubra o carro com plástico/panos, mas não deixe o preconceito dominar na hora do resgate de um bichinho. Lembre-se sempre: Seres humanos não são tão irresistíveis assim, a sarna ainda vai preferir o cachorrinho! hehehe

PS.: Isso serve para pulgas e carrapatos. O carrapato vermelho do cão, que é o que vemos mais comumente em cães e não é o carrapato estrela ao contrário do que pensam (o carrapato estrela vive em pastos e é o carrapato do cavalo) ele dificilmente pica outro animal sem ser o cão. Ele não gosta nem de gatos. Então é balela aquela história de que "o gato que passeia no muro de casa passou carrapato para meus cães" ok?
Já a pulga sim, adora o gato. Prefere gatos, mas em cães com alta carga parasitária, encontramos pulgas também.
Espero que a Myrian e os outros leitores gostem do post, sugestões são sempre bem vindas e eu adoro (tentar) derrubar tabus e preconceitos.







(post sem imagens devido a falta de credibilidade das imagens do google.)

terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

Gatos, Gravidez e Toxoplasmose

Sempre que falamos em gravidez e toxoplasmose, os gatos saem como os grandes vilões dessa história, e infelizmente li vários sites de médicos dizendo que mulheres grávidas devem mesmo se livrar dos seus bichanos durante a gravidez. Fiquei muito decepcionada com a ignorância de alguns profissionais, afinal, não é bem assim que as coisas funcionam. Animais não são descartáveis e não podem ser dispensados durante a gestação da proprietária. 

*Só uma ressalva, fugindo um pouco do assunto: Muitas jovens mamães se livram dos seus animais porque pensam que o bebê terá alergias a eles. Quanto antes acontecer o contato com animais, menor a chance da criança ser alérgica, afinal seu sistema imune estará fortificado e preparado, assim  o corpo não verá os pelos como alérgenos (substâncias causadoras de alergia).

Voltando ao assunto: A grande vilã dessa história é a ignorância que cerca a questão e não o convívio com os bichanos.
Segundo dados da Sociedade Brasileira de Imunização, casos de toxoplasmose passadas de mãe pra filho são raras, e a principal forma de contaminação da doença se dá através da ingestão de água e alimentos mal lavados. 
É recomendada a precaução, mas não é necessário evitar a presença do gato.
O mesmo é dito pela Fundação Oswaldo Cruz,  um dos mais antigos e renomados centros de pesquisa em infectologia do país. 


Gravidez e Toxoplasmose
A  toxoplasmose é uma doença infecciosa causada por um protozoário chamado Toxoplasma Gondii. Esse protozoário é facilmente encontrado na natureza e pode causar infecção em mamíferos e aves em todo o mundo. Nos humanos, em mais de 80% dos casos, essa infecção é assintomática, ou seja, não apresenta qualquer sintoma e pode passar despercebida em pessoas com imunidade normal.
Uma vez exposto a toxoplasmose, o ser humano torna-se imune a ela. Dessa forma, mulheres que contraíram toxoplasmose antes de engravidar não têm com o que se preocupar. Dentre os exames realizados durante a primeira consulta rotineira do pré-natal, isso será averiguado. O risco encontra-se em contrair toxoplasmose pela primeira vez durante a gravidez, pois nesse caso, como a mulher não é imune à doença, a infecção pode levar à má formação ou ao aborto do feto. 
É por isso que existe, justificadamente, tanta preocupação em relação a isso. Mas antes de entrar em pânico, entenda como funciona a transmissão da toxoplasmose e veja porque não é preciso se desfazer de seus animais para ter uma gravidez segura e tranqüila mesmo no caso de não ser imune a toxoplasmose.

O Toxoplasma Gondii, para completar seu ciclo de vida, precisa passar por um hospedeiro intermediário, mamíferos e aves em geral, e por um hospedeiro definitivo, o gato. É apenas no intestino dos felinos que ele consegue produzir seus oocistos, forma infecciosa da doença. Por isso, CÃES NÃO TRANSMITEM TOXOPLASMOSE, ao contrário do que alguns profissionais mal informados possam afirmar. 
É por esse motivo que a toxoplasmose ficou conhecida como a "doença do gato", muito embora seja bem pouco provável que os gatos domésticos sejam responsáveis pela transmissão direta da doença na maior parte dos casos, já que menos de 1% de toda a população felina está contaminada. Além disso, mesmo que o gato esteja contaminado, os oocistos excretados nas fezes levam um período que varia entre um e quatro dias, dependendo da temperatura ambiente, para ficarem contagiosos.
Se então, após esse período, houver contato direto com as fezes do animal doente por via oral (levando as mãos à boca sem lavá-las bem, por exemplo), existe a chance de contaminação. Ainda assim, vale lembrar que a excreção de fezes infectadas dura até 14 dias após a primeira exposição do gato ao parasita (ou seja, após ele ter ingerido carne contaminada), mas que após esse período, é improvável que o gato volte a excretar novamente fezes infectadas, pois assim como nós, uma expostos a doença, eles também desenvolvem imunidade a ela.
Os gatos contraem toxoplasmose ao comerem carne crua ou caça (ratos e baratas, por exemplo) que contenham algum dos 3 estágios infectantes deste parasita. Se você possui um gato que já há algum tempo vive exclusivamente dentro de casa e que não se alimenta de carne crua, você NÃO ESTÁ EM RISCO. De fato está provado que manusear carne crua ou trabalhar em jardinagem sem luvas é mais arriscado do que acariciar e manusear seu gatinho de estimação.
A forma mais comum de contágio em humanos se dá através da ingestão de alimentos e água contaminados, principalmente carnes mal passadas e verduras mal lavadas. Acredita-se que em São Paulo , cerca de 80% da população já tenha contraído toxoplasmose dessa maneira. Em cidades onde o consumo de carne é mais alto, como no Rio Grande do Sul, essa porcentagem sobe para 90% da população e, como é de se imaginar, menos da metade dessas pessoas convivem com gatos dentro de casa. 
Portanto, se você eliminar as fezes do gato diariamente da caixa de areia, usar luvas e/ou lavar muito bem as mãos após realizar essa tarefa, não alimentar seu animal com carne crua ou permitir que ele tenha acesso à rua, o risco de contrair toxoplasmose de seu gatinho é ínfimo. 
Abaixo seguem na íntegra as recomendações da Fundação Oswaldo Cruz para prevenção da toxoplasmose:
1) Lave bem as mãos antes de mexer com os alimentos;
2) Não coma carne crua ou mal cozida;
3) Ao mexer com a terra ou caixa de areia lave bem as mãos ou use luvas;
4) Só beba água filtrada ou fervida;
5) Frutas, verduras e legumes crus devem ser bem lavados.
OBS.: A Toxoplasmose tem cura. O fato de apresentar exame positivo para toxoplasmose não significa que você esteja com a doença. Na maioria das vezes, indica a presença de anticorpos.
OBS.: Os gatos domésticos se infectam caçando pequenos animais infectados, como ratos e aves. Desta maneira, os gatos que não vão as ruas para caçar, e que comem apenas ração industrializada NÃO oferecem perigo. Mas, alguns cuidados como limpar sempre a caixa de areia, lavar bem as mãos antes de manusear o alimento e não dar carne crua ou mal cozida para os gatos são medidas importantes.
Exame para toxoplasmose
O CCZ de São Paulo realiza o teste para toxoplasmose em felinos a um preço bastante acessível. Caso reste qualquer dúvida sobre a contaminação de seu gatinho, talvez seja válido testá-lo. Converse com o seu veterinário a esse respeito. 
Fontes: Fiocruz, Arca de Noé, Arca Brasil.

quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

Concurso o Vira-Lata mais Lindo!

Olá!
Hoje resolvi fazer um post diferente pra agitar a adoção de cães e gatos abandonados e sem raça definida!
1- Separe uma foto LINDA do seu animalzinho sem raça!
2- Envie para o meu e-mail raquel.catena@gmail.com
3 - Se quiser contar no e-mail a história do bichinho e da adoção, eu vou adorar saber e postarei!
4- Pronto!
5- Os animais mais lindos serão escolhidos e postados aqui, junto com suas histórias!
6 - farei um post para os cães mais lindos e outro para gatos mais lindos!

CAPRICHEM!


Beijinhos ;))

quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

Neoplasias em Cães e Gatos

As neoplasias, mais conhecidas como câncer, se tratam de uma proliferação de determinado tipo de célula de forma descontrolada e acelerada, sem organização, prejudicando o organismo de diversas formas. A causa é desconhecida, apenas a prevalência é maior em animais de idade mais avançada.
As neoplasias podem acometer vários órgãos e tipos celulares, podem ser benignos ou malignos; dentro dos malignos, existem graus de malignidade. Quanto mais firme e aderido ao órgão, quanto mais vascularizado, quanto mais rápido o crescimento dessa neoplasia e mais rápido aparecimento de metástase, mais maligno o tumor é. Mas a malignidade pode ser classificada em graus apenas por estudo histopatológico. Um tumor benigno também pode vir a se tornar maligno.
A metástase consiste na disseminação do câncer do local inicial para outros órgãos, por via sanguínea ou linfática, atingindo em cães principalmente os pulmões.
Os tipos de neoplasia mais comuns em cachorros são: TVT, o Tumor Venéreo Transmissível, uma neoplasia que ocorre na área genital e é contagiosa, por meio do ato sexual (mais um motivo para a importância da castração) e pode ser evitado simplesmente impedindo que o animal cruze.
As cadelas e gatas são frequentemente acometidas por neoplasias mamárias, mais comum em cadelas, mas costuma ter mais malignidade nas gatas. Quanto mais jovem o animal é castrado, menor são as chances de câncer de mama. Quando castradas antes do primeiro cio, as chances de tumor mamário são praticamente inexistentes. Animais que sofrem de gravidez psicológica tem maior predisposição.
(Cada dia a gente percebe mais e mais vantagens em castrar, né!)
Os machos também costumam ter tumores testiculares e prostáticos, também evitados com a castração.
Animais albinos (com a pele rosa) tem maior predisposição a neoplasias cutâneas.

**SINAIS DE UMA POSSÍVEL NEOPLASIA: Em tumores internos, a detecção é mais difícil e geralmente acontece num estágio mais avançado da doença. Se preocupe com emagrecimento repentino (lembrando que várias outras doenças causam emagrecimento, então não precisa se desesperar achando que seu cão tem câncer só por isso). De qualquer forma, procure seu veterinário, pois pode haver algo de errado.
Na pele: Observe feridas que não cicatrizam e aumentam de tamanho, nódulos sólidos subcutâneos, nódulos com aspecto de "couve flor" na pele e na área genital, feridas que sangram com frequência, e em fêmeas, fiquem sempre de olho nas mamas, palpando todas, e se preocupe se encontrar carocinhos duros.
Não deixe o tempo passar caso detecte alguma dessas lesões, quanto antes o seu cão foi tratado, maiores são as chances dele não ter metástase e viver mais tempo ao seu lado.

**DIAGNÓSTICO: Depende da neoplasia, mas com uma bateria de exames de sangue, radiografias, ultra-sonografia e punção biópsia aspirativa (PBA), exame histopatológico do material retirado, somando aos sintomas, o médico veterinário consegue chegar ao diagnóstico.

**TEM TRATAMENTO?
Tem! Claro que nem todos os casos, mas muitos cães conseguem sobreviver muito tempo depois de diagnosticada a doença.
Em geral, o primeiro passo na grande maioria das neoplasias, é a retirada cirúrgica. Em tumores de mama, toda a cadeia mamária deve ser retirada (mastectomia radical) e é indicada a castração na mesma cirurgia.
Essa foto é de uma mastectomia radical, é uma cirurgia complicada, com um pós operatório difícil, mas é o mais indicado para que não ocorra a disseminação das células tumorais para outras mamas e órgãos.

Em alguns casos, como em tumores ósseos, é indicada a amputação do membro afetado. Muitas pessoas ficam com medo e preconceito de realizar este procedimento, mas como eu sempre digo aqui: Os animais não ficam se sentindo inferiores por conta da amputação, afinal, um cachorro não fica apontando e dizendo: "olha lá, um deficiente, um amputado!"
Aliás, o ser humano poderia aprender com os animais esse comportamento, né? Seria muito mais fácil para mulheres mastectomizadas e pessoas amputadas lidar com a situação. Enfim, faça sempre o que seu veterinário de confiança indicar, e se você tiver receio, pode e deve procurar oncologistas veterinários, hoje em dia tem bastante gente especializada nisso, tanto em cidades maiores como em universidades.
Também tem o tratamento quimioterápico para cães, que em geral não causa tantos efeitos colaterais como em humanos, como perda de pelos (cabelos) e náusea muito intensa. Mas, o controle hematológico é importante, pois assim como em humanos, muitas células sanguíneas morrem e acaba ocorrendo anemia severa e queda da imunidade.
A radioterapia infelizmente não está presente na realidade veterinária por enquanto aqui no Brasil, pois o equipamento é extremamente caro.

Para finalizar, gostaria de dizer que receber o diagnóstico de que o animal está com câncer não é nada fácil pro proprietário, pro veterinário também é difícil dar essa notícia. A maioria dos casos ainda tem um final infeliz, mas com os avanços da medicina e o diagnóstico precoce, muitas neoplasias podem ser curadas ou controladas, e em muitos casos, o animal consegue ter uma sobrevida longa e de qualidade.
Nunca leve em consideração a frase "seu animal tem X meses/dias/horas de vida"; nenhum veterinário é Deus e ninguém tem bola de cristal para prever quanto tempo de vida outro ser tem.
Faça a sua parte, leve seu animal pra ser tratado, e o veterinário faz a dele, de tratar. Deixe de lado as previsões. Aproveite o máximo seu animalzinho!

Vida longa a todos eles!

sexta-feira, 4 de fevereiro de 2011

Doenças Cardíacas em Cães e Gatos


As doenças cardíacas podem acometer filhotes (quando são congênitas, ou seja, o animal nasce com uma má formação no coração/válvulas/veias/artérias) mas acomete principalmente animais idosos. Com o avanço da medicina veterinária, os animais tem vivido cada vez mais, e quanto mais animais idosos, maior a incidência de doenças cardíacas. Eles são considerados idosos a partir dos 8 anos de vida.
A principal doença que acomete cães é a degeneração ou envelhecimento das válvulas do coração, e acomete principalmente cães de raças pequenas (poodles, pinschers, yorkshire, etc).
Já nas raças grandes (boxer, labrador, doberman, dogue alemão) a principal doença é a dilatação do músculo cardíaco.
Nos gatos, a principal doença é a cardiomiopatia hipertrófica, que tem evolução lenta e silenciosa, podendo apresentar sintomas só quando o comprometimento cardíaco do animal já está muito avançado. 
Para os animais de região litorânea, uma doença que pode ocorrer é a dirofilariose, que é a presença de vermes no coração. Por isso, é muito importante a vermifugação em animais que vivem no litoral ou quando viajam.
Ao contrário do que pode ocorrer com o homem, os animais não são vítimas de infarto do miocardio, mas de micro-infartos decorrentes da degeneração do músculo cardíaco. Assim sendo, animais não morrem de infarto.
Independente da doença, o animal pode ter uma vida normal desde que seja detectada e tratada com rapidez.

Mas como saber quando o animal está com alguma doença cardíaca? Quais sinais ou sintomas eles apresentam?
- O primeiro sintoma costuma ser a tosse. Muitas vezes as pessoas pensam que é engasgo. Repare se ocorre quando o animal está agitado ou feliz,
- Cansaço, intolerância ao exercício,
- Dificuldade para respirar,
- Inchaço de membros ou abdomen,
- Lingua arrouxeada (exceto nos chow-chows, que já são roxas sempre né!)
- Mucosas (parte interna da boca, vulva ou pênis) azulados,
- Desmaios,
- Convulsões,
- Crescimento deficiente em filhotes.

Ao notar alterações descritas acima, procure o médico veterinário.
Descreva com detalhes as alterações, e através de exame físico, exame radiográfico, ecocardiográfico e eletrocardiograma, o diagnóstico pode ser concluído.

*É importante o check up cardíaco em animais com idade mais avançada ou mesmo para todo animal ao fazer qualquer procedimento cirúrgico. Por querer economizar, corre-se o risco de perder o animal por causa da anestesia.
Os exames também são importantes em cães e gatos idosos, mesmo que não apresentem sintomas, para que eventuais doenças de evolução lenta possam ser detectadas cedo, e se forem tratadas de forma correta, o animal pode ter uma sobrevida de qualidade e viver muitos anos ao seu lado!

Cuide com carinho do coração do seu melhor amigo!


Help: Fonte e Fonte.

terça-feira, 1 de fevereiro de 2011

Cuidados com os Olhos - Cães e Gatos

Os cuidados com os olhos não são tão complexos, para a maioria das raças de cães e de gatos, exceto para aqueles que tem olhos um pouco, digamos, proeminentes, que é o caso dos shih tzus, onde as chances de ferimentos são maiores.
Pelos olhos serem grandes e bem expostos, eles machucam com mais facilidade, podem esbarrar em objetos, plantas, brincadeiras com outros animais, ou o próprio animal ao animal se coçar.
Claro que acidentes podem ocorrer com qualquer animal, gatos podem sofrer arranhões durantes brigas, pelos podem entrar causando desconforto, com isso, o animal coça e se fere.
Mas, voltando ao assunto dos cuidados básicos, esses se aplicam as raças que tem o focinho curto (achatado) como os shih tzus (ih, eu falando deles novamente) gatos persas, entre outros "amassados". O focinho curto pressiona as glândulas lacrimais, ativando a produção excessiva de lágrimas.
Os animais de pelagem branca, como maltês e poodle, acabam ficando com manchas de lágrimas e secreções oculares nos pelos ao redor dos olhos.
Isso ocorre mais em alguns animais e menos em outros, vai da genética do próprio animal. O pelo fica manchado pois a lágrima é ácida e "queima" o pelo.
Não existe um método para evitar que o animal libere a secreção, até porque a lágrima tem importante função de proteção dos olhos, como impedir a entrada de microrganismos e até mesmo ciscos, pelos e afins. Protege também de lesões na córnea.
Então, o que se deve fazer, é a limpeza dos olhos nesses cães predispostos, se possível todo dia, se não for possível, pelo menos 3 vezes na semana.
A limpeza deve ser feita com gaze (melhor que o algodão, que pode soltar fiapos que entram no olho do animal) e solução fisiológica; soro, desses comuns de farmácia mesmo. Lembre-se de guardar na geladeira após aberto, senão ocorre contaminação. Caso não seja possível usar o soro, faça com água morna. Morna, não quente. Procure passar apenas em volta dos olhos pra não levar contaminação pra dentro do olho.
Quanto aos pelos claros manchados, recomenda-se esse mesmo procedimento, com um extra de vários produtos atualmente existentes no mercado que prometem sumir com as manchas. Alguns proprietários relatam ter encontrado bons produtos e ficaram satisfeitos, outros já me disseram que não resolveu. Aí também depende do tanto que o pelo já está manchado, o ideal é cortar esse pelo e cuidar para que o que for nascendo não manche também. Lembrando que essas manchas não são sinal de nenhum problema ocular com o cão, nem causam prejuízo nenhum. Apenas por estética.
Já a secreção dos braquiocefálicos, além de causar mau cheiro, pode causar infecções se ocorrer acúmulo excessivo. Portanto, a limpeza é fundamental.

Mas fora esses cuidados; quais os sinais de que tem algo de errado com os olhos de meu cão/gato?
Bom, ele vai se sentir muito incomodado, passando a pata, coçando ou esfregando. Pode ter secreções excessivas, amareladas. O olho pode adquirir um tom "azul embaçado" ou mesmo alguma outra cor anormal, e a vascularização sanguínea vai ser excessiva na parte branca do olho, deixando-o bem avermelhado.
Calma que não sai secreção verde-neon dos olhos dos cães, esse é um produto usado para que o veterinário detecte lesões na córnea.
Importante: Se o seu animal apresenta algum dos sinais descritos acima, não arrisque utilizar qualquer colírio, leve rapidamente ao veterinário. Um colírio incorreto pode causar várias complicações na cicatrização do olho acometido, seu médico veterinário de confiança poderá indicar o melhor para o caso de seu bichinho.

Outro probleminha, muito comum em cães, é a catarata, que é uma opacidade do cristalino, e ocorre principalmente em cães senis. Não existem colírios nem medicamentos que resolva o problema, mas li um texto bem interessante, este aqui, que cirurgias já tem sido feitas em cães, com 90% de sucesso. O texto lembra e eu reforço, a cirurgia é eletiva, (nome dado a uma cirurgia que não é fundamental para que o animal viva) já que muitos cães vivem com catarata sem maiores complicações. A cirurgia é custosa e requer extrema disponibilidade do proprietário para pingar colírios no pós-operatório.

Claro que existem diversas outras doenças que ocorrem em cães, mas meu objetivo aqui é apenas orientar para que o proprietário saiba diferenciar quando algo errado está acontecendo do que é fisiológico, procurando assim, seu médico veterinário de confiança que tomará as providências necessárias para a saúde de seu animal.



Beijinhos a todos ;)

segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

Leishmaniose Canina

É, gente, hoje o assunto é sério.
A Leishmaniose é uma zoonose, ou seja, uma doença que animais transmitem para humanos. Por conta disso, infelizmente os veterinários e centro de controle de zoonoses são obrigados a fazer eutanásia de animais com essa doença. Em algumas cidades, essa doença é bem comum, como na região de Bauru-SP, onde os casos já são endêmicos. Ou seja, ano após ano, vários cães vem sido eutanasiados e as fontes do mosquito transmissor não são eliminadas. Por isso gostei muito do cartaz de protesto acima.
Mas, vamos explicar o básico da doença:
A leishmaniose é transmitida através da picada do mosquito conhecido popularmente como mosquito-palha, é uma doença bem mais grave em cães, que acomete todo o seu organismo e tem um curso lento e crônico.
Os sintomas são:
-Perda de peso e/ou falta de apetite
-Apatia
-Seborréia, feridas que não cicatrizam
-Crescimento rápido das unhas
-Anemia
-Inchaço dos gânglios
-Insuficiência Renal
-Diarréias persistentes, vômitos
-Lesões Oculares (conjuntivites)
-Hemorragia nasal
-Ferimentos ao redor dos olhos e na pele
A forma de prevenção dessa doença é feita através de coleiras com repelente, principalmente a base de citronela, eu conheço a da marca Excalibor.
 O mosquito gosta de se reproduzir em locais com matéria orgânica em decomposição, portanto, manter ambientes limpos, sem acúmulo de lixo.
Em canis recomenda-se a pulverização do ambiente com DDT, piretróides e fosforados, além da higiene, como o controle do vetor.
Nos dias de hoje, em países da Europa, o protocolo de eutanásia é inaceitável, mas no Brasil ainda é a realidade aceita e exigida pelo organização mundial de saúde.
Mas, como os cães são cada vez mais queridos e mais considerados membros da família, tem sido muito dificil convencer os proprietários e se tornado algo inaceitável para os médicos veterinários.
O conhecimento de que a doença canina não é uniformemente fatal e que alguns cães podem apresentar cura espontânea, levou a comunidade científica médico-veterinária à experimentação de tratamento dos animais. Os resultados obtidos conduziram a protocolos bem sucedidos já aplicados em alguns países. A OMS reconhece que a eutanásia dos cães infectados, na maioria dos países, se reserva cada vez mais para casos especiais, como resistência aos fármacos, recaídas repetidas ou situações epidemiológicas perigosas, pois a maioria dos veterinários preferem administrar um tratamento antileishmaniótico, acompanhando atentamente as recaídas.
Portanto, vamos previnir, controle ambiental e repelente nos dogs!
Essa ainda é a melhor forma de não perdermos nosso querido bichinho para essa doença!


Fonte Animal

sábado, 29 de janeiro de 2011

Comércio de Animais

Quero começar esse post reforçando que não sou contra a criação de animais, conheço vários criadores honestos, que tratam muito bem dos filhotes e dos pais dos mesmos.
Mas, como tudo nesse mundo, sempre tem aqueles que só visam o lucro, que tratam o animal como se ele fosse apenas uma mercadoria, e esquecem de que ele é antes de tudo um ser vivo.
Tem pessoas que compram o cachorro e só se importam com aquele papel idiota chamado pedigree (pé de que?) e muitas vezes nem sabem o que ele significa ao certo, só sabem que é chique que o cachorro tenha esse tal de pé aí e querem.
Uma das cenas mais absurdas que já presenciei na vida profissional foi uma pessoa que, alguns meses depois de ter comprado um cão, voltou ao pet shop para trocá-lo, pois sua orelha ficou meio torta! Sério, gente! Agora imagina a cena, você tem um filho e ele tem orelhas de abano, você vai pedir ao médico que o troque? Sem noção, não é?!

Mas, voltando a questão do comércio dos animais: Na grande maioria dos pet shops, principalmente os grandes, que tem animais oriundos de vários criadores e cidades, assim, o controle de doenças infecciosas se torna muito, mas muito difícil mesmo. Os animais precisam ir bem novinhos para os pets, então o esquema de vacinação nunca está completo. A vermifugação combate os parasitas que estão no animal, mas não evita que eles adquiram doenças parasitárias vindas de outros animais, das gaiolinhas mal higienizadas ou até mesmo já resistentes aos produtos utilizados.
saiba que o lindo filhote que o vendedor falou maravilhas pra te convencer a comprar, muitas vezes já teve alguma doença como giardíase (a mais comum em pet shops) ou até mesmo tosse dos canis ou parvovirose. Já vi mais de 50% de ninhadas perdidas dessa forma.
O cãozinho que teve que tomar antibióticos tão jovem, pode vir a ter baixa resistência, sendo sempre susceptível a doenças ou não tendo um desenvolvimento completo.

Já me disse meu colega Odie esses dias,
Se você quer comprar um animal, minha dica é: procure diretamente um criador. Lá, você vai conhecer o ambiente em que o animal vive, seus pais,  conhecendo as condições de higiene do lugar, a forma que são tratados e muitas vezes vai pagar um preço mais justo, além de não fazer o animal passar pelo stress de deixar a mãe e morar numa gaiolinha até ser comprado. Ele vai direto para o conforto de sua casa, tendo menos queda de imunidade, correndo menos risco de adoecer.
Pesquise na internet sobre criadores, mesmo que na sua cidade não tenha, pesquise em cidades próximas e conheça bem o local. Pode ser trabalhoso, mas vale a pena. Comprar um animal não pode ser uma atitude impensada, impulsiva. É algo que deve ser planejado com carinho, afinal, é um novo membro da família.
Não trate animal como mercadoria. Eles, mais do que seres vivos, são seres capazes de nos amar incondicionalmente, e merecem retribuição por esse amor.


Beijos a todos,

Raquel.

sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

Gatos - Derrubando Preconceitos! Conheça Melhor os Gatos Antes de Falar Mal!

Se tem uma coisa que me deixa louca da vida é uma pessoa me dizer que odeia gatos, sendo que 99,9% não tem nenhum argumento sensato pra dizer isso, e sequer conviveu com algum gato.
Eu tenho vários gatos e já tive outros, claro que nem todos são super legais, depende da afinidade entre o animal e a pessoa. Mas todo mundo conhece um cachorro chato, não é? E nem por isso odeia cachorro.

Dizer que são traiçoeiros: Não sei de onde surgiu esse mito. É totalmente absurdo. Basta conhecer um pouco de comportamento felino para saber quando eles não estão nada felizes e podem vir a arranhar ou morder. Eles, ao contrário dos cães, demonstram isso abanando o rabo, colocando as orelhas pra trás e miando ou rosnando. Quando o gato age assim, provavelmente está odiando o que você está fazendo, e te avisando isso. Caso ele te arranhe, a culpa foi sua de não ter entendido, e não que o gato foi traiçoeiro. Um gato nunca te ataca sem nenhum motivo, as vezes pode pular nas suas pernas ou pegar seu braço, mas porque eles adoram caçar e brincar com coisas que se mexem, como folhas, bolinhas...inclusive você.

Dizer que o gato só gosta da casa e não dos donos: Outro grande absurdo. Já me mudei 4 vezes com meu gato mais velho, e com os demais, 3 vezes. Eles sempre se adaptaram super rápido a casa nova, nunca tentaram fugir. Vi inclusive um documentário (que chorei muito, por sinal) no qual a dona do gato se muda para outro estado (nos Estados Unidos) para fazer faculdade. O gato sentiu tanto a sua falta que viajou muito, e chegou na cidade nova em que a moça estava morando, quase morto de cansaço, mas chegou. Sozinho, não se sabe como. 
O gato tem uma maneira diferente de enxergar as pessoas, eles não se acham inferiores e submissos aos humanos como os cães, eles se acham iguais a gente. Algo tipo, emprestam o território deles para que a gente more. Eles não se sentem na obrigação de fazer o que queremos na hora que queremos, isso se chama ter personalidade. Os grandes fãs de gatos, os chamados gateiros, admiram demais isso. Eu acho bem interessante a cara deles de "eu vou se quiser". Mas isso não significa que eles não gostem das pessoas. Um gato sempre escolhe seu humano favorito na família, adora ficar perto da pessoa escolhida, inclusive sente quando o dono está doente ou triste, ficando ao seu lado e as vezes vocalizando "palavras de conforto".
Tem gente que acha estranho quando um gato fica se esfregando entre suas pernas, mas isso é um sinal de amizade e que o gato te incluiu na sociedade dele, ou como eu brinco aqui em casa, quer dizer "que você é da turma dele".
O ronronar de gatos não significa pneumonia, muito menos que ele vai passar alguma doença respiratória para você. Pra quem conhece um pouquinho de gatos vai perceber que eles ronronam de satisfação, em geral quando estão felizes e relaxados.
Eles também não são um poço de zoonoses, gatos de casa inclusive são mais limpos do que os cães, porque eles mesmos se limpam e são super cheirosos (eu pelo menos amo cheiro de gato! - bem melhor do que o de cachorro!)

Dizer que são interesseiros: Se os gatos são interesseiros, os cachorros também são, então. Ficam nos rodeando quando estamos comendo, quando querem ganhar petiscos, coisas assim. Foi por interesse de ambas as partes (dos humanos, por proteção, e dos cães selvagens, por comida) que aconteceu a domesticação do cão. O gato foi domesticado pela admiração que os egípcios tinham pela beleza e elegância do animal, e eles nunca exigiram nada em troca, até porque um gato que tem livre acesso a rua pode muito bem caçar e não depender dos humanos para se alimentar. Aliás, eles adoram mostrar aos donos que são bons caçadores, mostrando sua caça ao dono (o que nem sempre agrada, já que a caça pode ser lagartixas, baratas ou coisa pior).
Agora me digam, os gatos são interesseiros por que? Só porque eles não acordam do soninho de beleza deles para atender nosso chamado? Tem gatos que fazem isso sim, que recepcionam os donos quando chegam.

Além de tudo, os gatos em geral são silenciosos, se castrados dificilmente tentam fugir e a grande maioria convive muito bem em ambientes pequenos, são mais independentes e não precisam ter companhia o tempo inteiro, aprendem a fazer as necessidades no local correto com mais facilidade que os cães...
Enfim, é muito bom ter gatos, e quem não tem e não conhece, não seja preconceituoso de dizer coisas que não sabe.
Antes de afirmar, procure pesquisar, sempre!


Beijos,

Raquel.

quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

Plantas, Medicamentos e Alimentos Tóxicos a Cães e Gatos

Não é a toa que nós veterinários incentivamos tanto que os cães e gatos sejam alimentados apenas com ração, que tenham cuidado com plantas ornamentais e não medique os animais por conta própria, as vezes um alimento bobo ou um remédio do nosso cotidiano pode fazer muito mal aos bichinhos.
As plantas tóxicas mais comuns encontradas nas casas são: comigo ninguém pode, espada de são jorge, azaléia, copo de leite, costela de adão, bico de papagaio, hortênsia e mamona. Procure deixar essas plantas fora do alcance dos seus animais, principalmente filhotes, que são como crianças, comem tudo que encontram pela frente.
Gatos tem o costume de comer algumas plantas para ajudar na "limpeza" do acúmulo de bolas de pêlo, eles comem principalmente grama e muitas vezes vomitam depois. Se você mora em apartamento ou não tem grama em casa, são vendidas sementinhas de uma grama específica que os gatos adoram, você planta em um vaso e eles adoram comer. Essa espécie de "mato" ajuda na eliminação de bolas de pelo, muito importante para os gatos.
Cães comem grama também, principalmente se estão com alguma indisposição gástrica. Grama não faz mal a eles.
 Existem muitos alimentos potencialmente tóxicos, principalmente se forem ingeridos em grande quantidade e se o cão for pequeno. Por isso, EVITE DAR ALIMENTOS!!!
Os mais comuns alimentos tóxicos para cães e gatos são: chocolate (sim, nosso fiel amigo chocolate, faz mal ao nosso fiel amigo cão); cebola, mesmo em pequenas quantidades, pode causar uma espécie de anemia; batatas, inhame, mandioquinha crus podem causar problemas no sistema nervoso e gastrointestinal; linhaça crua; doces; frituras; alho; chá; café; brotos, batata germinada e folhas de batata; uva e uva passa, entre outros.
Um que não é tóxico, mas pode causar uma série de problemas, como ruptura de esôfago/estômago/intestino, além de constipação severa, são ossos. Tanto de porco, quanto de galinha, vaca, enfim. Não dê.
Gatos são, sem dúvida, muito mais susceptíveis a intoxicações do que os cães. Portanto, cuidado redobrado com remédios que são dados a eles.
A mais comum causa de intoxicação medicamentosa em gatos é o acetaminofen, o nosso conhecido Tylenol, um único comprimido pode ser fatal, causando anemia hemolítica.
Outros: Benzocaína, exaclorofeno, carbaril, azul de metileno, aspirina.
Alguns desses medicamentos são pulicidas e carrapaticidas, portanto leia bem a embalagem e consulte um veterinário e veja se o produto é indicado para gatos ou apenas cães.
Alguns antibióticos, anestésicos e anticonvulsivantes só devem ser dados sob supervisão de um médico veterinário, incluindo diazepan, morfina, além de alguns anti-inflamatórios.
Remédios tóxicos para cães e gatos:
Amitraz (o popular Triatox)  e mesmo o Butox, são carrapaticidas/sarnicidas potencialmente tóxicos.
Nunca dê diclofenaco sódico e de potássio ( Cataflan e Voltaren) causam gastrite severa em cães.
Ivermectina, carrapaticida e sarnicida.
Pyridium, anti-inflamatório da via urinária.
Além de várias outras substâncias que devem ser administradas com cautela, por isso, consulte sempre seu veterinário de confiança antes de dar qualquer remédio ao seu animal.






Intoxicações por demais substâncias, sintomas clínicos e como proceder fica para um próximo post!
Beijão a todos!!


Ajuda animal: aqui, aqui, e aqui.

terça-feira, 25 de janeiro de 2011

Adotar ou Comprar um Bichinho?

Acho que fui um pouco mal compreendida por alguém que postou anônimo (naturalmente) no post Escolhendo Seu Animal de Estimação , onde a pessoa em questão me acusou de dizer que animais de raça não são bons e não são capazes de amar seu dono.
Cachorro de raça e sem raça, de rua ou de pet shop, todos são a mesma coisa, pra mim. Os gatos também.
Assim como as pessoas são todas iguais, independente de serem pobres, ricas, feias, bonitas. Quando entra em meu consultório um cãozinho shih-tzu lindo e glamuroso, com sua proprietária linda e perfumada, ou quando entra o vira-lata que acabou de ser achado na rua por uma pessoa pobre e simples, a minha conduta vai ser a mesma em ambas as situações, não vou tratar de maneira diferente nem o animal e nem o dono. Isso se chama ética.
Eu não tenho nada contra quem compra cachorro ou gato. Nem contra quem cria raças e as vende. Eu mesma morro de vontade de ter um shih-tzu ou um gato ragdoll, e se um dia eu tiver condições financeiras, posso sim vir a compra-los. Mas a questão é que isso não me impede de adotar um animal abandonado.
O que devemos levar em consideração: Um cãozinho de raça sempre vai ter uma vida privilegiada, sempre vai encantar a todos, vai ser vendido com facilidade e, caso esse dono não o queira mais, por qualquer motivo que seja, rapidamente ele será adotado por outra família. Ter um cão de raça virou símbolo de status, ostentar seu belo weimaraner pela rua ou seu pequeno e fofo maltês é considerado o mais puro luxo. Cachorro não pode ser só isso, gente. Animal é algo muito além. Eles são seres vivos, tem direitos, e não podem servir de fantoche na mão de humanos apenas por serem lindinhos.
Outra coisa: O animal de rua nunca teve nem vai ter muita oportunidade. Os que não são dominantes na sociedade deles, rapidamente serão excluídos e não vão conseguir se alimentar com a mesma facilidade dos líderes, isso acontece principalmente com gatos. Consequentemente, irão ficar fracos e acabarão morrendo. Existem pessoas totalmente maldosas, sem coração, sem noção, que vão pegar esses animais na rua e maltratá-los. Enfiar bombinhas no ânus de gatos e acender, arrancar seus olhos, atropelar propositalmente entre outras mil atrocidades que vemos por aí. Quantos morrem após sofrer por horas e ninguém toma nem conhecimento?
É justo que um animal precise passar por situações assim?
Acho que o problema não é comprar animais. O problema é ignorar o fato de que tem animais sofrendo nas ruas. Ninguém precisa necessariamente adotar um vira-latas, mas tem coisas a serem feitas por eles. Ajudar ONGs, pagar uma castração...se a pessoa é tão rica assim que pode colecionar cães de raça, ela pode também ajudar um animal de rua.
Inclusive surgiu uma campanha muito interessante que começou entre as celebridades dos Estados Unidos, dizendo que era chique adotar. Virou comum, interessante e admirável ver pessoas como Sandra Bullock desfilando com seu vira-latinha no colo.
Espero que essa moda chegue ao Brasil, e acho que a SUIPA já fez sua parte na campanha, colocando atores famosos com cães sem raça em seu calendário de 2011. Adorei a idéia!

O que é importantíssimo que as pessoas entendam é que ninguém acha bom que cães fiquem na rua, e que eles devem mesmo se reproduzir e todo mundo deve encher a casa de cão de rua. O objetivo de entidades não governamentais, de veterinários e mesmo do governo, é que esses animais sejam castrados para que não ocorra nascimentos não planejados, gerando mais e mais animais abandonados. Ninguém quer animal na rua, e o que precisamos ter ciência é de que precisamos fazer algo por esses bichinhos.
 Cada leitor desse post pense no que pode fazer por eles, e não pense que sou uma veterinária odiadora de cães de raça.
Apenas penso que tem espaço para todos no mundo. Todos os animais, todas as pessoas, todos os seres, de todas as raças, espécies, cores e crenças.
Mas, pra finalizar:

 Não é?!


Quero fazer um agradecimento ao site Ocioso que me ajudou a alcançar minhas primeiras mil visitas diárias, ao blog Patas Sobre Patas e ao blog do Odie, pela credibilidade em fazer parceria com o Amiga da Onça.
E agradeço a cada pessoa que leu, pelo menos em partes, e de alguma forma parou pra pensar sobre as coisas escritas, ou que usou alguma informação como algo útil na sua relação com o pet. Obrigada,
Raquel.

domingo, 23 de janeiro de 2011

Obesidade Canina e Felina


É, provavelmente esse é o gato mais gordo do mundo.
Mas, para evitar que seu gato ou seu cão chegue a esse ponto, temos cuidados a tomar. Não devemos transferir aos animais a estética e obrigatoriedade de ser magro que os humanos tem, até porque um cão não fica encarando o outro e pensando "nossa, que gordo ele está!"  ou mesmo o próprio animal não fica em frente ao espelho se achando gordo. Com isso, concluímos que nossos animais não estão nem aí se estão gordos e a sociedade animal não os pressiona em nada para que sejam magros.
Mas, não é questão de vaidade, e sim de saúde.
Existem raças caninas predispostas a serem obesas, então proprietários dessas raças fiquem atentos.  São eles labradores, beagles, bassets hounds e cocker spaniel, entre outros.
Para vocês terem a exata noção do que é a forma física ideal, achei uma tabelinha de referencial. Com base nos dados dela, podemos transferir para os gatos.
Bom, você viu a tabela e acabou de confirmar que seu animal está acima do peso.

O que fazer:
A culpa é sua. Não faça essa cara de espanto, não!
Exceto alguns gatos astutos demais, que caçam, nenhum animal come exatamente quando quer, e sim quando você dá alimento, não é?
Então, as providências a serem tomadas:
- Sem petiscos o tempo todo. Biscoitinhos, ossinhos e etc. Para seu animal não sofrer, diminua a quantidade aos poucos, até ficar um petisco por dia, no máximo.
- NÃO DÊ SOBRAS DE COMIDA CASEIRA! Nunca, em hipótese alguma! Já foi dito aqui que nossa comida muitas vezes pode fazer o animal parar de comer ração, além de poder fazer mal e causar uma bela gastrite/gastroenterite.
-Dê ração nas horas corretas e conforme indicado na embalagem da ração (vide post Comida, água e cantinho)
- Se o seu animal está realmente beem gordinho, é indicado que entre com uma ração light ou mesmo obesity, isso seu veterinário pode te orientar melhor. Mas não  adianta mudar a ração se não seguir as regras acima.
- Procure caminhar com seu cão. Se você não tem tempo, jogue bolinha com ele, deixe-o livre pra correr e brincar com algo que ele goste.
*Gatos gostam muito de caçar e brincar com bolinhas de papel ou qualquer coisa que ele ache interessante, estimule essas brincadeiras, assim, você está exercitando-o.

Complicações da obesidade:
São várias, principalmente para o sistema locomotor e cardiovascular.
O sobrepeso força as articulações, prejudica demais a coluna, principalmente nos cães teckel, os "salsichas" que tem uma vértebra a mais e as patinhas curtas. Se o cão for de raça grande e for obeso quando filhote/jovem, aumenta a chance de que ele tenha displasia coxofemural ou agravamento da mesma.
O coração fica sobrecarregado, afinal ele tem que trabalhar mais para mandar sangue pra todo o corpo do animal, ficando com a musculatura cada vez mais espessa e menos funcional. Isso tudo causa uma série de complicações cardiovasculares.

*As pessoas com frequência associam a castração à obesidade. Isso não é uma regra. Tem vários animais castrados que são magros, e não castrados que são obesos. Isso vai da atividade que o animal pratica; os castrados tendem a ser menos ativos. A alteração hormonal pode aumentar o apetite do animal castrado, mas nada que as providências a serem tomadas citadas acima não resolva.

-> Controlar a obesidade em gatos geralmente é uma missão mais difícil, pois geralmente as pessoas tem mais de um gato e a ração fica a vontade. O jeito é fazer um esforço e dar ração light a todos, ou tentar separar as rações (o que é realmente difícil)
-> Para pessoas com vários cães, deve-se separar as rações, cada um come a sua, alimentando-os no mesmo horário e não deixando a ração a vontade. -> Existem também produtos da marca Organnact que são auxiliares na "dieta" do seu animal, são bisnagas com pastinhas prebióticas/probióticas que auxiliam no emagrecimento. Existem também palitos sem calorias, assim seu cão continua ganhando petisco sem sofrer tanto.

E lembre-se: Quanto melhor a forma de seu animal, mais tempo ele viverá ao seu lado. Enchê-lo de comida não vai fazer ele mais feliz, e sim viver menos.